#910

Natureza viva e vivida - Tabuaço e São João da Pesqueira

Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

Imagem da proposta

A proposta visa a criação de uma área de paisagem protegida de âmbito local – Área Protegida dos Castelos Naturais – no vale do Rio Távora, de abrangência intermunicipal (municípios de Tabuaço e de São João da Pesqueira), bem como a definição de uma rede de percursos pedestres também interconcelhia. Com este projeto pretende-se divulgar os valores patrimóniais naturais e construídos, bem como os hábitos e tradições desta região, de modo a criar-se uma empatia entre o Homem e a natureza. Esta articulação com o meio ambiente surge como um factor impulsionador para o desenvolvimento do turismo de natureza na região, atendendo ao facto de:
 Não podermos ignorar e desperdiçar o enorme património natural e construído existente na região;
 Os concelhos de Tabuaço e São João da Pesqueira estarem integrados numa região em desertificação humana, território de baixa densidade, com uma reduzida capacidade endógena de criação de emprego e inovação capaz de fixar a população;
 Despertar a sociedade para importância que o capital natural tem no equilíbrio do ecossistema, desencadeando a sensibilização das populações atuais e futuras, de modo a criar-se uma ligação de respeito para com os valores naturais existentes - dar a conhecer para respeitar;
 Necessidade de traçar uma rota de desenvolvimento que assente em padrões sustentáveis, em que a comunidade local é o protagonista, e que, através de uma natureza viva e vivida, se desenvolva um mecanismo de subsistência das populações;
 Perante um conjunto de desafios a que nos vemos sujeitos, que até há pouco tempo se afiguravam inacreditáveis, cada vez mais nos preocuparmos com as questões ambientais. Os indicadores ambientais evidenciam que o modo de vida seguido é marcadamente insustentável. Um indicador que está na ordem do dia são as alterações climáticas. Verifica-se uma grande preocupação na criação de estratégias de adaptação e mitigação destas ao invés da definição de políticas de prevenção. Por uma melhoria do planeta e do modo de vida dos seus habitantes, é urgente a adoção de medidas de outro alcance;
 É entendido que o turismo de natureza é e será uma aposta de sucesso, senão mesmo a salvação do interior do país, onde se augura que as oportunidades crescerão rapidamente, designadamente os investimentos e o aumento do emprego na região.
A implementação desta proposta implica a feitura de um estudo de caracterização da área sob os aspectos geográficos, biofísicos, paisagísticos e sócio-económicos. Estes estudos, vão permitir delimitar concretamente o perímetro a classificar, bem como identificar os pontos com maior potencial turístico a incluir na rede de percursos pedestres. Em simultâneo haverá necessidade de se definir um plano de acção, sem descurar a utilização, valorização e conservação a atribuir à área de paisagem protegida e à rede de percursos pedestres. Por último, a produção de um guia com a identificação da área protegida e da rede de percursos pedestres.
Prevê-se que o investimento neste projeto não deverá exceder os 250.000,00€. Prevê-se um período de execução de 24 meses.

Proponentes da proposta
  • Bertilina C. Araújo Ferreira
Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

  • Orçamento Previsto
    Entre 50.000€ e 300.000€
  • Âmbito da Proposta
    Regional
  • Região onde aplicar
    Norte
  • Municípios onde aplicar

    São João Da Pesqueira, Tabuaço

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal