#94

Fabrica de Transformação do Pescado do Alqueva

Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural

Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural

Regenerar a Economia Social no Alentejo
O projeto foi delineado com o objetivo de dinamizar a região Alentejo, numa diferente abordagem de intervenção na economia social, e apoiar a empregabilidade/fixação de jovens licenciados e desempregados de longa duração, beneficiários do RSI, insolventes, migrantes, jovens institucionalizados ou condenados a penas de prisão até oito anos, através da procura de soluções exequíveis, sustentáveis e responsáveis de dinamização dos recursos endógenos, produção, criação de oportunidades de trabalho e fixar pessoas no Alentejo.

Projecto
Unidade de Tranformação de Pescado do Alqueva
Certificar e controlo de qualidade alimentar do pescado
Comércio de Peixe e crustáceos frescos, congelados e transformados

“Idoneidade” na DISTRIBUIÇÂO da RIQUEZA
Estimular e elevar a autoestima das pessoas
Criar Trabalho/Emprego
Produção, Promoção, Distribuição e Comercialização
Combater a desertificação
Fixação de Pessoas (Jovens)
Desonerar o Estado:
No apoio social nas Comunidades intervencionadas
Pagar:
Contribuição TSU
Impostos o IVA o IRS o IRC
Produção/Riqueza


Distribuição com Equidade dos Lucros
Bolsas Académicas
Do 1.º; 2.º; 3.º e 4.º Ciclo
Licenciaturas, Mestrados e Doutoramentos
Pós graduações
Investigação Cientifica o Bolsas Sociais
Lares
Centros de Dia
Creches
Infantários
Bombeiros
Pessoas com dificuldades

Exequível, Sustentável e Responsável

Empresa Social Al-ENDO Associação sem fins lucrativos
NIPC 513549560 CAE Principal 94110
Rua Direita 33 7250-065 Terena Telf 268497169 tlm 961494870
Sede: Rua Direita n.º 33 7250-061 Terena

Empresa Social AL-ENDO assocação
Missão
No contexto atual de crise económica, social, laboral, de valores, de princípios e de ideais por efeitos da globalização, è imperioso um novo modelo de programas políticos sociais e económicos, que possam inverter o ciclo nefasto e trazer esperança a uma sociedade com equidade e Justiça Social, amenizando o desequilíbrio económico das famílias. Um negócio social é, num conceito surgido com M. Yunus, uma actividade económicamente equilibrada, concebida para resolver um problema social ou ambiental concreto através de um modelo de intervenção orientado para o mercado. Esse modelo deve gerar excedentes, necessários e suficientes, para permitir: a) financiar a sua consolidação e expansão, e/ou b) subsidiar a missão social da organização; nunca serão maximizados nem distribuídos pelos seus promotores. Essa actividade tem de visar excedentes (ou lucro) na medida em que esse lucro é indispensável para assegurar a sua sustentabilidade a médio prazo, nisso se distinguindo dos projectos desenvolvidos através de subsídios públicos e/ou donativos privados. Assim, qualquer Associação, Fundação, ONG, grupo de cidadãos e empresa privada podem, em parceria ou separadamente, criar, financiar e gerir negócios sociais, preservando a autonomía económica, financeira, patrimonial e fiscal da empresa social em relação a dos seus promotores.
“Empresa Social é um empreendimento pensado e construído com o principal objetivo de debelar um problema social emergente da pobreza, utilizando integralmente os proveitos da empresa”. “A questão da pobreza relacionada ao conceito de empresa social esta diretamente ligada a outras tantas questões igualmente emergentes e preocupantes como tecnologia, educação, saúde, comunicação. Portanto, é necessária a compreensão da complexidade das consequências sociais da pobreza e principalmente de sua origem”. “Já a questão da natureza humana apresenta-se primeiramente como uma crítica a teoria económica vigente, que aborda o homem em uma visão unidimensional, ou seja, enxerga o homem como um ser unicamente egoísta e que busca realização financeira, visão influenciada também pelo contexto e apelo consumista presente na sociedade. Em consequência aborda e defende a vertente oposta que enxerga a multidimensionalidade do homem, ou seja, desconstrói a ideia de que a felicidade humana advém somente do sucesso financeiro e portanto olha para o homem em seus demais aspectos: sociais, políticos, emocional, espiritual, ambiental”. “Por último, o conceito de empresa social aborda a auto-sustentabilidade do negócio, portanto sua capacidade de gerar renda suficiente para cobrir suas próprias despesas. Uma parte do excedente econômico criado pelo negócio social é investida em sua expansão, enquanto outra parte é mantida como reserva para cobrir gastos inesperados. Nesse tipo de negócio, a empresa gera lucro, mas ninguém se apropria dele”. Urge pensar, maturar e materializar projectos inovadores, exequíveis, sustentáveis e responsáveis, para a inclusão e coesão social, desta Comunidade que invertam este declínio de desertificação, desemprego e miséria humana.

Alandroal Fev 2018

Proponentes da proposta
  • Jose Joaquim Cebola Gomes
  • Empresa Social AL-ENDO associação e Casa do Povo de Santiago Maior
Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural

Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural

  • Orçamento Previsto
    Entre 50.000€ e 300.000€
  • Âmbito da Proposta
    Regional
  • Região onde aplicar
    Alentejo
  • Municípios onde aplicar

    Aljustrel, Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Cuba, Ferreira Do Alentejo, Mértola, Moura, Ourique, Serpa, Vidigueira, Alandroal, Arraiolos, Borba, Estremoz, Évora, Montemor-O-Novo, Mora, Mourão, Portel, Redondo, Reguengos De Monsaraz, Vendas Novas, Viana Do Alentejo, Vila Viçosa, Arronches, Avis, Campo Maior, Castelo De Vide, Crato, Elvas, Fronteira, Gavião, Marvão, Monforte, Nisa, Ponte De Sor, Portalegre, Sousel, Coruche

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal