#136

Fruta boa no trabalho

Saúde

Saúde

Imagem do projeto

O Projeto “Fruta boa no trabalho” propõe-se a transformar de forma radical os hábitos de consumo alimentar da população adulta em Portugal, integrando-se numa estratégia de combate ao sedentarismo, que tem caracterizado as sociedades contemporâneas, com consequências nefastas para a saúde. Partindo de uma parceria entre entidades ligadas à promoção da saúde na alimentação, à produção local e à educação para a saúde – Campo Maior Solidário – Loja Social, Cooperativa Operária Portalegrense, Fundação Francisco Pulido Valente, Projeto Alimentação Saudável nas Escolas do Concelho de Portalegre, Projeto MAIS PARTICIPAÇÃO melhor saúde, Instituto Politécnico de Portalegre (Sistema de Gestão da Responsabilidade Social), Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre e TEGUA - Associação de Desenvolvimento Regional D'Entre Tejo e Guadiana – propomos o desenvolvimento de um Projeto-Piloto em três municípios portugueses localizados na sub-região do Alto Alentejo (NUTS III): Campo Maior, Elvas e Portalegre. A opção pelo lançamento do Piloto nesta região particular responde ao objetivo de descentralização, em particular das políticas públicas de Saúde, estreitando a colaboração entre organizações com trabalho reconhecido nesta região.
Procuramos igualmente chegar a um segmento social tendencialmente esquecido no que diz respeito às políticas de incentivo a novos hábitos alimentares e de prática do exercício físico, a classe trabalhadora.
1. Consumir local, apoiando as pequenas produções, dinamizando e reproduzindo as redes locais já existentes e estimulando a criação de novas parcerias dentro das comunidades;
2. Consumir livre de químicos, rejeitando o consumo de frutas e hortícolas que tenham sido sujeitos ao uso de pesticidas, herbicidas e fertilizantes, de síntese química, bem como a utilização de organismos geneticamente modificados e antibióticos;
3. Consumir a favor da sazonalidade das produções, contrariando o consumo fora de época, maximizando o valor nutricional dos alimentos, através de uma colheita nas alturas apropriadas.
Realçamos os seguintes pontos de partida: basear a iniciativa em entidades com forte presença local e com trabalho reconhecido junto da comunidade em diferentes vertentes; ligar estas entidades através de um tema completamente transversal que permita um trabalho conjunto de carácter multidisciplinar, explorando sinergias entre os parceiros e a multiplicidade das questões associadas; pretende-se assim desenvolver novos modelos de trabalho colaborativo partindo de problemas muito concretos e inter-geracionais uma vez que a saúde está presente em tudo.
O Projeto terá 3 fases de implementação:
1.i) Identificação, contato e registo da disponibilidade dos locais de trabalho piloto (empresas privadas, entidades públicas e organizações dos municípios-piloto) potencialmente alvo do projeto.
ii) Identificação, contato e registo da colaboração com os pequenos produtores locais, organizações da comunidade local, pequenos proprietários com excedentes e empresas disponíveis para participar: avaliação da disponibilidade destas entidades para disponibilizarem (através da venda, troca, doação ou de outro tipo de acordo) cabazes de fruta e hortícolas aos locais de trabalho piloto.
iii) Desenvolvimento de materiais de comunicação e sensibilização do Projeto:
- folheto de informação sobre o projeto: distribuir em locais de trabalho (empresas privadas, entidades públicas e organizações dos municípios-piloto), exemplo: folheto "5 Porções de Fruta ou Vegetais" adaptado a adultos.
- website do projeto
- página de FB do projeto
iv) Levantamento e ensaio piloto de produtor - consumidor em circuito curto, local, regional e sazonal. Organização de distribuição de excedentes com caminhada/colheita.
2.Sensibilização dos locais de trabalho sobre o Projeto, nos três municípios piloto para:
i) cederem o seu espaço/tempo para a ação de formação aos trabalhadores;
ii) disponibilizarem frutas e hortícolas aos trabalhadores;
iii) promoverem ações de team building relacionadas com a colheita de frutas e hortícolas.
3.Piloto do Projeto “Fruta boa no trabalho”
i) Ação de sensibilização sobre os objetivos do Projeto e sobre a sua implementação dirigida aos trabalhadores em cada local de trabalho piloto;
ii) Estabelecimento e formalização de parceria, mediada pelo Projeto, com a rede local de produção: pequenos produtores locais, organizações da comunidade local, pequenos proprietários com excedentes e empresas disponíveis para participar;
iii) Disponibilização de fruta e hortícolas aos trabalhadores em cestas colocadas em lugar de fácil acesso aos trabalhadores;
v) Implementação de uma metodologia de monitorização e avaliação do Piloto – as entidades parceiras do Projeto realizam visitas aos locais de trabalho piloto e à rede local de produção para avaliação intermédia do andamento do Projeto; o Projeto promove um questionário de avaliação global, a todas as entidades envolvidas e a todo o universo.

Proponentes do projeto
  • Fundação Francisco Pulido Valente e Instituto Politécnico de Portalegre
  • Rui Pulido Valente
Saúde

Saúde

  • Orçamento
    250000 €
  • Âmbito da Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Alentejo
  • Municípios onde aplicar

    Campo Maior, Elvas, Portalegre

  • Prazo
    24 meses
  • Links do projeto

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal