#157

EM LINHA - Programa de mentoria, formação e capacitação social para a reinserção profissional de adultos desempregados de longa duração, nos concelhos de Aveiro, Ílhavo e Vagos

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Imagem do projeto

PROBLEMA
Os indivíduos a quem se dirige o programa EM LINHA são desempregado de longa duração, com mais de 40 anos de idade e formação superior (ou equiparada pela experiência profissional), que apresentam um quadro social padrão: situação de (pré)isolamento social; baixos níveis de autonomia/ iniciativa e auto-estima; vida sedentária (com excesso de peso ou baixos níveis de atividade/ disponibilidade motora); limitações psicológicas ligeiras ou profundas (depressão prolongada, fobias sociais, …) que condicionam o seu normal retomar da sua vida social, e consequentemente a sua reintegração profissional, após situações de paragem profissional muito prolongada, com as consequentes debilidades e limitações económica-financeiras que o desemprego prolongado provoca em muitos casos.

A realidade apresentada assenta no conhecimento de vários casos (de amigos e familiares) identificados pelos proponentes deste projeto, e ainda na experiência do GIP de Aveiro do CSPVC que diagnostica este problema noutros GIPs da região (pe Ílhavo e Vagos), sendo mesmo extensível a todo o país. O GIP do CSPVC (Centro Social e Paroquial da Vera Cruz) em Aveiro estima que uma percentagem muito significativo dos atendimentos que realiza são de pessoas que se enquadram no perfil apresentado para os públicos-alvo desta ação e tem conhecimento que este mesmo padrão ocorre noutras unidades de missão similares na região. Entendemos assim que este ‘projeto piloto’, se aprovado, poderá permitir o ensaio de um programa a ser replicado em todo o país. Constatamos ainda que uma percentagem (não definida) desta população ‘especial’ não está inscrita no Centro de Emprego, nem surge no radar da Rede Social (SS, GIPs, …) dos concelhos, e muitos vivem uma situação limite, de isolamento - fechados em casa e/ou muito dependentes do apoio da família (por vezes em clima de crispação e conflito familiar), vivendo também com dificuldades económicas, e com baixa esperança em retomarem uma vida normal.

A SOLUÇÃO - PROPOSTA DE PROGRAMA
O programa ‘EM LINHA’ surge assim como numa nova abordagem multidisciplinar de capacitação e reativação psico-social para DLDs (adultos desempregados de longa duração). Esta abordagem pressupõem 7 etapas complementares, multidisciplinares e integradas:
1. Identificação dos indivíduos a convidar para participarem neste programa com apoio dos GIPs, IEFP, e Rede Social; 2. Avaliação psicológica e física (resistência) dos candidatos; 3. Criação de plano individual de desenvolvimento com a definição de objetivos e metas (pessoais e profissionais); 4. Capacitação ‘vivencial’ (construção de vivências conjuntas, co-criadas e/ou partilhadas): desenvolvimento pessoal + atividade física + voluntariado social + visitas e atividades motivacionais de grupo + sessões de grupo + contadores de histórias + (...); 5. Capacitação para o empreendedorismo social: desenvolvimento de projetos sociais (cívicos, culturais ou desportivos) + técnicas de coordenação e liderança de projetos + orçamentação (custos e receitas) + marketing e promoção + comunicação digital + comunicação em público + criação de projeto + (…); 6. Implementação do projeto (social/ cultural/ ou desportivo) proposto e desenvolvido em grupos; 7. Processo de tutoria e acompanhamento de perto de estágio numa entidade/ empresa com (a veicular aos alunos que tenham estágio previsto no âmbito de outras formações que estejam a frequentar).

Este programa piloto será dirigido no máximo a 15 elementos, terá aprox. 300 horas (repartidas ao longo de 4 a 6 meses aprox.) composto por ‘indivíduos’ dos três concelhos indicados, ajustadas às novas realidades e desafios do mercado de trabalho e ainda ao perfil formativo e profissional de cada participante, os quais deverão beneficiar de: 1. transporte (custo do passe ou circuito de recolha dos participantes) que os conduza até ao local da ‘formação’ (o transporte será uma ferramenta muito importante para mitigar o absentismo potencial); 2. bolsa mensal (como medida para motivar à participação; 3. almoços nos dias da ‘formação vivencial’.

IMPLEMENTAÇÃO
O programa EM LINHA deverá ser uma ferramenta dos GIPs e/ou IEFP para assegurar uma resposta mais assertiva e integrada destes indivíduos que demonstram nao estar em condições psicológicas para aproveitarem totalmente as propostas modulares que lhes são apresentados, Este programa deverá ser incubado numa IPSS, ou entidade análoga, com as condições exigidas à operacionalização desta ‘formação vivencial’, a qual deve estar fora do outro contexto formativo mais formal em que os alunos possam estar inseridos, para podermos mitigar questões de estigma social. - o programa EM LINHA constitui objetivamente uma resposta diferenciada com abordagens distintas e especiais para estes públicos-alvo. Estimamos que este programa possa ser desenhado e implementado até 6 meses desde que beneficie de um coordenador a full-time no tempo de planeamento.

Proponentes do projeto
  • Nuno Lopes
  • Alexandra Ataíde
  • Ana Paula Martins
  • Andreia Pereira
  • Júlia Melo
  • Paula Hipólito
  • Raquel Ferreira
  • Sandra Regala
Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

  • Orçamento
    100000 €
  • Âmbito da Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Centro
  • Municípios onde aplicar

    Aveiro, Ílhavo, Vagos

  • Prazo
    24 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal