#287

Divulgação e Ensino do Instrumento de Sopro Didgeridoo

Cultura

Cultura

Imagem do projeto

O Didgeridoo é um instrumento de sopro desenvolvido e usado por Australianos Indígenas do norte da Austrália. Embora já exista há cerca de 1.500 anos, o seu uso é ainda difundido tanto na Austrália como no resto do mundo.
Pretende promover o crescimento do Didgeridoo em Portugal, enquanto instrumento musical, e a divulgação da Cultura Aborígene Australiana.
Visa o ensino de uma técnica de respiração chamada respiração circular, pelo que, o instrumento pode ser tocado, sem parar, por mais de 30 minutos. São já conhecidos os seus benefícios, tanto ao nível do relaxamento como na redução da apneia obstrutiva do sono, uma vez que fortalece os músculos das vias respiratórias, observando-se também melhorias em adolescentes com dificuldades respiratórias (asma). O didgeridoo é tocado com lábios continuamente vibrantes para produzir o drone.
Este projeto pretende ir às instituições de ensino secundário e realizar uma pequena palestra sobre o instrumento, seguido de um mini concerto e um workshop para a construção do mesmo usando material de desperdício, como rolos de papel higiénico.
De salientar que esta proposta pretende desenvolver um projeto sustentável, com capacidade de se manter após o final do prazo de execução do OPP 2018.
Estimativa Orçamental Geral- 15.000,00 €uros
Prazo de Execução- 6 Meses
Fases do Projeto
Fase 1
• Aquisição de didgeridoos, com diferentes notas musicais e outros instrumentos de percussão, para acompanhamento, nas dinâmicas.
• Divulgação e Comunicação (criação de um mini-site)
• Reunião e exposição do projeto às diversas instituições da Rede pública e privada
Fase 2
• Implementação do projeto com a realização dos Workshops e Ateliers nos diversos Espaços

Proponentes do projeto
  • Tiago André Costeira Calado de Carvalho
Cultura

Cultura

  • Orçamento
    50000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Área Metropolitana de Lisboa
  • Municípios onde aplicar

    Lisboa, Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Setúbal

  • Prazo
    24 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal