#415

Roteiro de Fontes e Nascentes - Reabilitação e Recuperação Paisagística (Concelhos de Abrantes, Sardoal e Mação)

Cultura

Cultura

Imagem do projeto

A presente proposta abrange as antigas fontes e nascentes situadas nas envolventes ribeirinhas das Ribeiras da Arcês, Rio Frio e um troço do Rio Tejo com cerca de 6 kms situado entre a foz das duas ribeiras supra mencionadas.
No quadro de prosseguir com a recuperação do património cultural e etnográfico da zona acima referida, que circunda os três cursos de água, mormente na freguesia de Mouriscas, e em complemento do trabalho que irá ser executado no âmbito da Proposta n.º 529 da edição de 2017 do OPP, seria gerada a recuperação de um vasto património antigo existente nestas zonas.
Estima-se que nas várias freguesias dos Concelhos de Abrantes, Sardoal e Mação, confinantes com as duas ribeiras e o rio Tejo, possam existir e ser seleccionadas cerca de 100 fontes/nascentes, a maioria públicas, algumas das quais hoje quase perdidas por entre arvoredo e vegetação. Ao invés também existem algumas fontes/nascentes que estão preservadas e continuam a ser procuradas pela qualidade da água que delas brota, e que também entrarão no roteiro que se pretende criar.
Num passado recente, que teve como apogeu os anos 40 a 60 do século passado, foram estas fontes e nascentes que deram de beber a uma imensa população rural, que das mais diversas formas e meios de transporte nelas se abastecia. Ainda permanecem nas memórias dos mais idosos os tempos em que homens e mulheres transportavam cântaros de água à cabeça, apoiados em "rodilhas", ou em animais de carga pendurados em "cangalhas". Nas suas casas este vasilhame costumava repousar em móveis de madeira a que chamavam "cantareiras" (ainda hoje existem estes apetrechos em algumas casas da província).
Na zona em apreço a recuperação destas fontes e nascentes será uma forma de preservar memórias, dando-se continuidade ao trabalho de recuperação do património cultural/etnográfico que levou à criação da Rota das Ribeiras da Arcês, Rio Frio e Rio Tejo (OPP 2017), sendo possível interligar os dois projectos, potenciando os mesmos.
Em paralelo esta proposta também contribuirá para a limpeza de caminhos e a abertura de trilhos antigos em favor do combate ao isolamento de muitas áreas rurais, hoje quase inóspitas.
Deverão ser seleccionadas cerca de 100 fontes/nascentes que cumpram os critérios apresentados na presente proposta, elaborando-se assim um roteiro das mesmas, situação que levará à recolha de dados e testemunhos vivos sobre cada fonte, incluindo a sua localização geográfica.
A estimativa de custos para levar a bom porto o projecto inclui todos os trabalhos expectáveis, que variará de fonte para fonte, nomeadamente a limpeza de caminhos, a abertura de trilhos, a desmatação na envolvente das fontes/nascentes, limpezas várias, trabalhos de recuperação (construção civil), pinturas, caiação, instalação de bicas/torneiras, ligações dos esgotos, etc.
Será instalada iluminação adequada em três fontes, uma em cada concelho, a seleccionar oportunamente.
Adicionalmente também deverá ser instalada sinalética para cada fonte/nascente, sempre que possível e necessário, assim como a instalação de uma placa identificativa junto de cada uma.
Cada concelho também escolherá um local central para afixar um mapa geral deste roteiro e a proposta também inclui a divulgação das fontes/nascentes, não esquecendo a história e as estórias associadas.
Será criado um filme deste roteiro para promover as regiões e o seu património cultural.

Proponentes do projeto
  • António Manuel da Silva Louro
Cultura

Cultura

  • Orçamento
    100000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Centro
  • Municípios onde aplicar

    Abrantes, Mação, Sardoal

  • Prazo
    12 meses
  • Links do projeto

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal