#425

Unidade Móvel para as Competências Digitais

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Imagem do projeto

De acordo com o "Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade" (IDES), Portugal é uma referência na Europa em matéria de infraestrutura. Apresenta-se com 100% de cobertura em banda larga, com o segundo maior rácio de conexões em banda larga rápida entre os 28 países comunitários. Apesar das condições favoráveis para o acesso às novas tecnologias, 30% de portugueses nunca utilizaram a Internet (4ª maior na UE28) e apresentam baixas competências digitais que impacta, negativamente, a posição de Portugal. Também aqui, o índice IDES é revelador, apresentando-nos baixos níveis de "Competências Digitais Básicas" (21ª posição) e reduzidos índices de utilização de serviços online como: "Operações Bancárias", "Compras Online" (23ª posição em ambos os indicadores) e até mesmo na adesão às redes de banda larga fixa e móvel (27ª posição) por parte dos portugueses. Portugal caracteriza-se por ser um país com elevada taxa de população infoexcluída.

Para fazer face a este problema, propõe-se a criação de uma Unidade Móvel para as Competências Digitais para o distrito de Viana do Castelo.
Considerando que o distrito de Viana do Castelo é composto por dez concelhos que integram freguesias maioritariamente rurais e, em grande parte, com uma enorme distância geográfica em relação aos centros, pelo que a falta de acessibilidade se revela um obstáculo considerável, na medida em que contribui para o isolamento e exclusão destas populações. De facto, se atentarmos à lista de Freguesias Rurais PDR2020, rapidamente se verifica que, à excepção do concelho de Viana do Castelo, todos os restantes são compostos por freguesias rurais.
Naturalmente, quanto mais afastados estivermos dos centros, mais difícil é o acesso à formação e informação e, consequentemente, maior o isolamento e maiores e mais graves as consequências em termos sociais. Transpondo esta realidade para o âmbito deste projeto, conclui-se então que qualquer medida que promova a inclusão e a aproximação das comunidades rurais, através das TIC, acaba por ser inovadora.
Com um gabinete e sala de formação móveis que permitam disponibilizar o acesso à informação, com a mobilização de pessoas nas diversas freguesias, consegue-se concomitantemente democratizar o acesso às tecnologias de informação e comunicação, e o aumento da literacia digital de públicos em risco de exclusão, bem como o favorecimento da empregabilidade através das novas tecnologias. A carrinha/unidade móvel, devidamente equipada, visa por um lado, promover a infoinclusão e, por outro, disseminar o conhecimento das tecnologias de informação e comunicação. Em termos de equipamentos, será importante que a carrinha contenha todas as ferramentas que permitam o alcance dos objetivos anteriormente delineados, desde logo um parque informático adequado aos conteúdos que se pretendem trabalhar com as populações-alvo, focando as suas atenções para os meios rurais e desfavorecidos. Além dos recursos materiais, será igualmente necessário assegurar a presença contínua de facilitadores/as/ formadores/as e técnicos/as das áreas da informática, psicologia e assistência social, que sejam capazes de prestar auxílio, directa ou indirectamente, a todos os indivíduos que os procurem.

Proponentes do projeto
  • Tony Capela de Oliveira
Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

  • Orçamento
    50000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Norte
  • Municípios onde aplicar

    Arcos De Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes De Coura, Ponte Da Barca, Ponte De Lima, Valença, Viana Do Castelo, Vila Nova De Cerveira

  • Prazo
    12 meses
  • Links do projeto

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal