#446

Microalgas de Portugal como Fonte de Novos Compostos Antimicrobianos

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

A descoberta de antibióticos foi um passo essencial no combate a infeções de origem bacteriana, permitindo ainda a implementação de técnicas de diagnóstico e tratamento invasivas (cirurgias). Contudo, nas últimas décadas tem-se verificado um aumento de bactérias resistentes aos antibióticos, ou seja, infeções que não respondem aos antibióticos. O aparecimento de bactérias multirresistentes constitui um enorme problema de saúde pública no século XXI reconhecido recentemente pela Organização Mundial de Saúde. As estimativas apontam para que, se não forem tomadas medidas, daqui a 30 anos a mortalidade média anual devida a infeções não tratáveis seja de 10 milhões de indivíduos, ultrapassando o número de mortes causadas por doenças como o cancro ou a diabetes. O uso intensivo e negligente de antibióticos em medicina humana e veterinária, produção animal e agricultura tem levado ao surgimento de bactérias resistentes aos antibióticos comercializados, e o desinvestimento da indústria farmacêutica na descoberta de novos antibacterianos geram uma situação extremamente preocupante. Assim, é urgente descobrir novos compostos antibacterianos com novos mecanismos de ação.
As algas, e em especial as microalgas, têm suscitado enorme interesse científico devido à biodiversidade e facilidade de cultura, e produção de compostos com aplicação nas áreas farmacêutica, nutrição humana e animal, cosméticos, biorefinarias e preservação de alimentos. Portugal tem uma costa privilegiada cujos recursos marítimos ainda são pouco explorados. Assim, esta proposta tem como principal objetivo testar a atividade antibacteriana de compostos produzidos por microalgas Portuguesas. “Este projeto será desenvolvido no Centro de Portugal envolvendo as áreas costeiras da região Centro-Litoral na recolha das microalgas. A cultura das microalgas e a avaliação da atividade antibacteriana serão realizadas em laboratório. As frações líquidas com potencial antibacteriano serão estudadas posteriormente, com o intuito de caracterizar quimicamente o grupo de compostos, assim como, de avaliar a toxicidade para células animais.
O projeto deverá ser constituído por uma equipa multidisciplinar de farmacêuticos, biólogos e químicos. Espera-se encontrar compostos com atividade antibacteriana com potencial aplicação na preservação de alimentos, em aquacultura, e cujo estudo possa ser expandido futuramente no sentido de desenvolver novos antibióticos com aplicação em medicina humana e veterinária. Na região do interior do centro de Portugal existe uma indústria que usa microalgas para produção de biofuel, e os resultados deste projeto poderiam ser interessantes para constituir uma parceria academia-industria e fomentar o desenvolvimento do interior do País.

Proponentes do projeto
  • Gabriela Jorge da Silva
  • Sara Domingues
  • Eduarda Silveira
Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

  • Orçamento
    51936 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Centro
  • Municípios onde aplicar

    Coimbra, Figueira Da Foz, Oliveira Do Hospital, Leiria, Nazaré, Peniche

  • Prazo
    24 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal