#582

AstroCosmos: Aprender na Escola, no Campo e na Cidade, no Céu de Portugal

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Imagem do projeto

Aproveitando infraestruturas já existentes, propõe-se a instalação duma estrutura de observação astronómica que contribuirá para a educação formal e não formal, assim como para a comunicação e divulgação da ciência e tecnologia. O projeto também pretende dar cobertura e relevo aos eventos astronómicos com impacto popular com recurso a ações públicas, nomeadamente através da Internet, para que, de uma forma inclusiva e de máxima acessibilidade, contribua para a melhoria da literacia científica.
Esta instalação deve tirar partido das capacidades existentes em três polos de cariz científico: um no Alentejo e dois em Lisboa. Os polos devem reunir instituições competentes na formação científica a diversos níveis (Superior é obrigatório), mas também na divulgação da Ciência. Na parte observacional no Alentejo é fundamental que se utilize um telescópio que satisfaça requisitos de grande qualidade: ter pelo menos 45 cm de diâmetro no espelho principal, configuração ótica do tipo Ritchey-Chrétien e montagem equatorial em garfo, de modo a poder tirar partido da excelente qualidade do céu alentejano, a Sul de Grândola, onde se reúnem características atmosféricas e antrópicas ótimas, principalmente para a observação astronómica noturna.
Há instituições de Ensino Superior em Lisboa que possuem recursos físicos e humanos que têm capacidade para a concretização deste objetivo: tanto na infraestrutura tecnológica bem como nas excelentes competências científico-pedagógicas na área da Astronomia, crucial no projeto. Por outro lado, as outras instituições devem ter competências em divulgação científica para o grande público, já ter instrumentos de observação, infraestruturas de apoio e espaços de qualidade reconhecida para estas atividades. São candidatos perfeitos instituições de Ensino Superior e Centros Ciência Viva.

O projeto é composto por duas grandes partes:

A— A instalação de telescópios já existentes, melhorados com a aquisição do equipamento acessório/complementar e necessário às observações astronómicas, nos diferentes tipos, tanto em Lisboa como no Alentejo.

B— O desenvolvimento e concretização das atividades em si:

i) Observação astronómica em Lisboa e no Alentejo, integradas em sessões públicas regulares, mas que podem ser partilhadas via Internet;

ii) Projetos de astronomia com as escolas, com fins educativos na área das ciências. Os projetos podem contemplar um ensino mais desenvolvido, explorando componentes, tais como: obtenção de imagem e fotometria para estudar planetas extrassolares, estudo de estrelas variáveis, trânsitos de planetas no Sol , ocultações de estrelas pelos asteroides, obtenção de espectros para classificação estelar, medição de velocidades radiais de estrelas, além da aprendizagem de técnicas de fotografia astronómica digital. Estes projetos deverão ter sempre o envolvimento de uma instituição de Ensino Superior com reconhecidas competências na área da Astronomia, garantindo a qualidade científica e pedagógica dos mesmos.

iii) Divulgação científica de qualidade associada aos eventos astronómicos de cariz mais popular, também com observação astronómica local e difusão via Internet.

Este projeto procura usar o fascínio pela Astronomia e pretende tirar partido da posição privilegiada de instituições de divulgação científica, apoiadas por uma instituição de Ensino Superior. Uma sediada em Lisboa, com uma localização de eleição e infraestruturas muito boas, permitirá a observação do Sol e da Lua integradas nas sessões públicas regulares, onde as Escolas têm um assento preferencial. O complemento perfeito está na excelente qualidade do céu no alentejano, a Sul de Grândola, numa instituição onde deve afluir muito público com regularidade e onde se farão observações astronómicas no grande telescópio, também para as suas atividades regulares.

Com estes dois polos cria-se a capacidade de proporcionar, nos eventos astronómicos de massas, uma comunicação científica de qualidade: as imagens obtidas em tempo real e os comentários dos especialistas serão partilhados via Internet. Esta partilha será utilizada gratuitamente por qualquer outra entidade que localmente queira fazer o seu evento, potenciando-se assim a Educação e a Cidadania do Conhecimento em todo o país.

O projeto proporcionará igualmente a construção de uma base de dados de imagens que serão colocadas à disposição das escolas e dos professores, assim como de outras instituições, ou mesmo do cidadão comum. Esta base de dados facultará a acesso a imagens devidamente interpretadas e descritas para uso lúdico, de formação ou de educação.

Prazo de execução: este projeto AstroCosmos é para ser implementado no terreno durante o primeiro ano e lançado em pleno com as suas atividades, no prazo máximo de 2 anos.

Investimento: de acordo com o estudo feito e que contempla estimativas do custo de todo o equipamento necessário e respetiva instalação, o projeto tem um investimento total de 224.500 €.

Proponentes do projeto
  • Rui Jorge Lourenço Santos Agostinho
Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

  • Orçamento
    145000 €
  • Âmbito do Projeto
    Nacional
  • Regiões onde aplicar
    Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo
  • Prazo
    24 meses
  • Links do projeto

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal