#641

Recuperação da Casa de Fresco dos Sanches de Baena

Cultura

Cultura

Imagem do projeto

Pretende-se com esta iniciativa avançar para a reabilitação da Casa de Fresco dos Sanches de Baena, um monumento situado no centro histórico de Vila Viçosa e que contêm um conjunto significativo de pinturas murais, estuques e embrechados, em avançado estado de degradação.
Os frescos que cobrem a abóbada e paredes apresentam cenas mitológicas conjugadas com anjos musicais, conchas, porcelana e outros elementos decorativos, os quais fazem deste monumento um exemplar especialmente rico e invulgar.
Trata-se de um espaço pertencente à Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa e que foi classificado em 2014 como M.I.M. – Monumento de Interesse Municipal.
No local, contíguo ao Convento das Chagas e muito próximo do Paço Ducal, encontra-se esta estrutura arquitetónica contígua a uma antiga cisterna, que serve de testemunho do esplendor artístico que se vivia em Vila Viçosa nos finais do século XVI e início do século XVII.
Tem forma quadrangular, medindo 3.15X2.90 metros e encontra-se em mau estado de conservação, por efeito da humidade que procede da mina de água adjacente. A estrutura, embora de pequenas dimensões, apresenta um conjunto soluções decorativas que se interligam na ornamentação da abóbada, integrando a pintura mural representações de grotescos, putti entrelaçados e anjos músicos, embrechados de conchas, escórias de ferro e fragmentos de porcelana da China, juntamente com estuques relevados em cartelas, com representações de cenas mitológicas.
A Casa de Fresco tem vindo a merecer a atenção de especialistas através de diversas pesquisas e análises de diferentes perspetivas em que são salientadas as características quase exclusivas deste bem cultural, quer em relação ao conteúdo programático das pinturas, quer a nível dos materiais utilizados.
Estes estudos, maioritariamente desenvolvidos pelo Laboratório HÉRCULES da Universidade de Évora têm vindo a alertar a comunidade científica e as entidades responsáveis acerca da necessidade de intervenção e a análise da documentação produzida confirma este facto.
Para além da reabilitação do património integrado, pretende-se permitir a abertura deste espaço ao público, integrado numa rota a desenvolver em conjugação com outros espaços religiosos do centro histórico onde existem vestígios de pintura mural.

Proponentes do projeto
  • Tiago Passão Salgueiro
Cultura

Cultura

  • Orçamento
    300000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Alentejo
  • Municípios onde aplicar

    Évora, Vila Viçosa

  • Prazo
    24 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal