#642

Recuperação do Património Azulejar da Área da Margem Sul do Tejo e de Lisboa

Cultura

Cultura

Dinamizar um espaço-oficina que produzisse e fizesse o inventário dos azulejos, caso desapareçam os originais, que se pudessem reproduzir e poder aplicá-los nos edifícios. Benefícios: seria poder recuperar um património abandonado e criar postos de trabalho pois são zonas muito pobres, em que há uma necessidade de entidades empregadoras na margem sul, após o fim da CMF e da Siderurgia Nacional. Estas zonas com edifícios azulejares ficam nas zonas antigas das cidades da margem sul, supostamente deviam ser o cartão de visita das cidades e encontram-se num estado deplorável, talvez sendo Almada a única com a zona antiga bem preservada, o que atrai também o turismo para estas zonas (sendo mais uma fonte de rendimento) para as cidades da margem sul onde há muita falta de empresas.

Proponentes do projeto
  • Lia Gabriela Gouveia dos Santos
  • Maria Lúcia Bravo Cruz
  • Maria Manuela Rodrigues
Cultura

Cultura

  • Orçamento
    300000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Área Metropolitana de Lisboa
  • Municípios onde aplicar

    Lisboa, Alcochete, Barreiro, Moita, Seixal

  • Prazo
    24 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal