#662

Canais da Lezíria - Conhecer, divulgar e proteger o património hidroagrícola da Lezíria do Tejo

Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

Imagem do projeto

CANAIS DA LEZÍRIA

ENQUADRAMENTO: A Lezíria do Tejo constitui uma das áreas de maior importância agrícola nacional. Para tal, é determinante a elevada fertilidade dos seus terrenos. Tratando-se de terrenos de aluvião, estão sujeitos a cheias, embora de periodicidade decrescente face à construção de barragens a montante. A capacidade de produção agrícola deve-se, por um lado, a estas cheias periódicas e, por outro, à rede de estruturas de controlo hídrico que foram sendo construídas ao longo de muitos séculos. Estas estruturas – valas, valados, diques e comportas – moldaram o território de modo indelével, ao nível paisagístico, económico e cultural. Contudo, este património não é devidamente conhecido, valorizado e protegido.

PROJETO: O projeto consiste na inventariação dos diques, canais, valas e valados que desenharam, ao longo dos séculos, as paisagens da Lezíria do Tejo, assim como o seu correto enquadramento histórico, nas vertentes económica, social e cultural, e a sua divulgação ao cidadão comum.
O projeto visa assim promover:
-- o reconhecimento da importância destas estruturas para a região e para o país;
-- a proteção deste património que apesar da sua antiguidade nunca se tornou obsoleto;
-- a ponderação da eventual contribuição destas estruturas para mitigar os efeitos das alterações climáticas na região;
-- a criação de novas oportunidades de apropriação e fruição, nomeadamente, as relacionadas com o aproveitamento turístico;
-- a valorização da identidade regional.
No âmbito do projeto prevê-se a realização das seguintes atividades:
-- inventariação das estruturas de controlo hídrico da Lezíria do Tejo;
-- sinalização das situações de risco e degradação, comunicando-as às entidades competentes;
-- monitorização e apoio das comunidades de regantes nas suas atribuições de gestão e conservação destas estruturas, bem como ao apoio à constituição destas comunidades onde elas não existam;
-- pesquisa histórica que enquadre a sua importância económica, cultural e social;
-- criação de conteúdos pedagógicos e lúdicos, adaptados a diversos tipos de público;
-- divulgação sistemática destes conteúdos a nível local, regional e nacional.

Proponentes do projeto
  • Rita de Sousa Caetano, Maria João de Sousa Caetano
Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

Ambiente, Ordenamento do Território, Conservação da Natureza e Habitação

  • Orçamento
    200000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Alentejo
  • Municípios onde aplicar

    Azambuja, Almeirim, Alpiarça, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Golegã, Rio Maior, Salvaterra De Magos, Santarém

  • Prazo
    18 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal