#831

RESS - Rede para a Economia Social e Solidária

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Vencedor

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

As organizações da economia social têm desafios, cada vez mais complexos e exigentes, de criarem valor social e impacto com poucos recursos. A escassez de recursos é uma questão central para estas organizações e obriga a uma mudança de paradigma na forma de relacionamento/interação e na gestão otimizada dos recursos disponíveis.

De acordo com a Conta Satélite de 2013, a Região Autónoma da Madeira (RAM) tem 966 entidades da economia social. Embora exista uma riqueza de formas jurídicas e de intervenções sociais, nota-se, não só a necessidade de um maior conhecimento e de partilha entre os diferentes grupos da economia social existentes na RAM, mas também de um reconhecimento da Economia Social na sociedade madeirense e do seu potencial.

Deste modo, propomos a criação de uma rede formal (composição e funcionamento) para a economia social e solidária, com o desígnio de concentrar esforços na concretização de sinergias entre todas as Organizações da Economia Social aderentes e criar nas parcerias uma cultura de trabalho. A rede seria uma forma de integração, articulação e complementaridade de saberes, experiências e capacidades. A partilha em rede permitiria explorar economias de escala, nomeadamente partilha de recursos, de materiais e de excedentes entre entidades da economia social, permitindo o acesso a recursos que, de outra forma, implicariam custos mais elevados contribuindo assim para sustentabilidade destas organizações.

Para além da realização de fóruns e ações que mobilizem debates, em vários concelhos da RAM, em torno da economia social e solidária, a RESS – Rede para a Economia Social e Solidária estaria alicerçada num Portal para a Economia Social e Solidária que incluirá a georreferenciação das entidades da economia social e da economia solidária da RAM, decorrente de um mapeamento destas entidades, a ser efetuado.

• Mapeamento das Organizações da Economia Social - o mapeamento será efetuado através da elaboração de um instrumento de pesquisa que sirva de base ao trabalho de campo e inclua questões abrangentes para a sua caracterização. Este passo será feito com equipas devidamente formadas sobre o conteúdo e a metodologia do mapeamento. Pretende-se constituir uma base regional de informação em economia social e solidária, com identificação das entidades e das suas experiências. O mapeamento originaria a georreferenciação, por fases, para inclusão no Portal da Economia Social e Solidária.

• Portal da Economia Social e Solidária - um espaço virtual, simples e apelativo de acesso a todos, mas que contenha uma área reservada de promoção, aproximação e diálogo entre Organizações da Economia Social. Pretende-se que o Portal apele à participação e colaboração de todos os intervenientes e constitua um sítio informativo, documental e de promoção da economia social, do voluntariado e do emprego, atualizado e alimentado pela RESS. Pretende-se promover a credibilidade, a transparência entre as entidades e divulgar e sensibilizar a sociedade da RAM para os valores da economia social e solidária através do recurso a vídeos, informação, livros didáticos e também divulguar experiências bem-sucedidas na área da economia social na RAM. Em suma, dar visibilidade à economia social e solidária fortalecendo processos organizados pela sociedade civil. Os temas constantes do Portal: informação sobre o setor, empreendedorismo social, informação/biblioteca; formação e iniciativas, legislação e documentação, oportunidade de voluntariado e de emprego e responsabilidade social. Ambiciona-se que o Portal seja uma referência regional em matérias de economia social e solidária e num futuro também a nível nacional.

A proposta apresentada não contempla a construção do espaço e será colocada no terreno, pela equipa dos proponentes, que detêm conhecimentos e experiência profissional no setor social, dentro do prazo do orçamento participativo.

Resultados esperados

• Melhoria da visibilidade através da promoção das atividades das OES e da divulgação de boas práticas;
• Aumento da partilha de informação e conhecimento suprimindo as falhas de informação/formação detectadas pelas OES;
• Estabelecimento de mais parcerias;
• Aumento da sustentabilidade das OES para continuarem a sua missão de suma importância na criação de riqueza e emprego;
• Captação de mais recursos e surgimento de novas metodologias e ferramentas comuns para serviços partilhados.

Proponentes do projeto
  • Marisa Araújo Nóbrega
  • Fátima Belo Alves
  • Diana Dinis Nascimento
  • Madalena Sofia Oliveira
  • Sidónio M. V. Fernandes
  • Marília Raquel Gonçalves
  • Maria João Paixão
  • Cristina Reis Andrade
  • Maria Elisabete Moniz
  • Cristina Babau Fernandes
  • Carolina Reinold´s Machado
Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Vencedor

Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

  • Orçamento
    200000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Região Autónoma da Madeira
  • Municípios onde aplicar

    Calheta, Câmara De Lobos, Funchal, Machico, Ponta Do Sol, Porto Moniz, Ribeira Brava, Santa Cruz, Santana, São Vicente, Porto Santo

  • Prazo
    24 meses
  • Links do projeto

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal