#97

Rio Leça – Rio com História(s), Rio com Memória(s)

Cultura

Cultura

Com a presente proposta pretende-se identificar e inventariar todo o património cultural que faz parte do percurso do Rio Leça - referimo-nos ao património cultural que integra o património construído, o património natural e o património imaterial. Pretende-se criar uma plataforma digital que permita receber todos os contributos e ao mesmo tempo fazer a publicação/divulgação de toda a informação/conhecimento produzidos, permitindo registar e dar a conhecer às gerações atuais e futuras um património cultural com marcas do nosso passado.
O Rio Leça tem uma extensão de 46,750 Km. No seu percurso atravessa os concelhos de Santo Tirso, Valongo, Maia e Matosinhos e por conseguinte dezenas de freguesias desses mesmos concelhos. A sua bacia hidrográfica compreende uma superfície de 192 Km2.
Com este projeto pretende-se criar uma plataforma digital que envolva as pessoas, a título individual e coletivo, num levantamento/inventariação o mais exaustivos possível de todo o património cultural, dando origem a informação/conhecimento que irá sensibilizar e criar motivações para construir uma rede de apoio à reabilitação do rio e das suas margens.
O rio Leça, até à década de 70 do séc. XX, foi fonte de rendimento das populações das suas margens através da indústria da moagem, da agricultura e da pesca. Foi espaço de lazer e desporto. Foi espaço de inspiração para escritores, poetas e pintores. No entanto, a partir dessa década, o rio foi abandonado pelas pessoas, passou a receber os esgotos das habitações e das indústrias poluidoras transformando-se num esgoto a céu aberto. Apesar de alguns esforços feitos nas últimas décadas a sua reabilitação está longe de ter sido conseguida.
O património construído contempla centenas de moinhos/azenhas, dezenas de pontes históricas, castros, calçadas romanas, levadas, igrejas, capelas, mosteiros e outro património. Contempla também um vastíssimo património natural e uma riqueza incalculável no que toca ao património imaterial.
Acreditamos que com este projeto vamos conseguir dar a conhecer o imenso património cultural que existe no percurso do Rio Leça e fazer com que as pessoas se voltem de novo para o rio envolvendo-se na sua reabilitação.
Para que este projeto se concretize teremos que envolver as Pessoas, as Coletividades e as Instituições - câmaras municipais, juntas de freguesia, coletividades locais (associações, grupos de escuteiros e outros), escolas e agrupamentos de Escolas. Agendaremos encontros Municipais e Intermunicipais, nas Autarquias (Juntas de Freguesia), nas Escolas e nos Agrupamentos de Escolas e outros. Prevemos algumas dezenas de reuniões para apresentação do projeto e envolvimento das populações.
Pretendemos a criação de uma rede grupos de adoção de um troço de rio, cerca de 500 metros, num total de uma centena de grupos, permitindo a cobertura de toda a extensão do percurso do rio. Nesta atividade pretendemos desenvolver as metodologias do “Projeto Rios” como forma de investigação/ação.
Com o desenvolvimento deste projeto pretendemos também criar percursos pedestres de pequena rota, ao longo de toda a extensão do rio, seguindo o exemplo do que já acontece nos cerca de dez quilómetros a partir da nascente. Os percursos de pequena rota resultarão num percurso de grande rota - da nascente até à foz. Estes percursos, devidamente identificados e sinalizados, serão um excelente meio de ligação das pessoas com o rio e uma forma de dar a conhecer o rio e todo o património cultural existente na sua envolvência, mostrando o quanto há para reabilitar, preservar e proteger. De igual modo, a organização de visitas guiadas, da nascente até à foz, permitirá aos participantes observar e conhecer a diversidade de situações que caracterizam o atual percurso do Rio Leça.
A informação/conhecimento reunidos serão partilhados numa plataforma informática que permitirá a qualquer pessoa ou grupo dar os seus contributos com textos, fotografias, vídeos, etc.
A equipa do projeto recolherá todo o tipo de informação em reuniões/encontros a realizar, em deslocações aos espaços do percurso do rio, com especial incidência para a recolha de testemunhos orais, vivências e experiências que de outro modo não seriam registadas.
Todo o material será compilado numa documento digital (plataforma) que ficará disponível para todos e que será apresentada às autoridades responsáveis com o objetivo de promover uma atuação concertada no sentido da despoluição definitiva do Rio Leça através da limpeza do leito, da reabilitação das suas margens e da recuperação de algum património construído, transformando-o num espaço de partilha do conhecimento e do saber fazer. A título de exemplo: criação de espaços museológicos e recuperação de alguns moinhos pondo-os a funcionar, o que permitirá aos mais jovens conhecer como funcionava uma das maiores indústrias do séc. XIX e primeira metade do séc. XX. A implementação deste projeto terá uma duração de vinte e quatro meses.

Proponentes do projeto
  • José Luís Martins da Costa Araújo
  • Daniel Filipe da Silva Araújo
  • Luís Miguel da Silva Araújo
  • Joana Maria Campos Marques Pinto Ferreira
  • Ana Sofia Pires de Carvalho
  • Maria dos Anjos Bessa Leite
  • Nuno Filipe Bessa Leite
  • Susana de Fátima Pinto Nunes
  • Maria Isabel Rodrigues Pratinha Araújo
  • Manuela Costa Almeida
  • Joana Catarina Marques da Costa Araújo
  • Bruno Ricardo Marques da Costa Araújo
  • Joana Santos Silva
  • Cristina Isabel Ribeiro Araújo
  • João Luís Ribeiro Araújo
  • Ana Sofia Duarte Mestre
  • Jorge Sena
  • Jorge Miguel Meireles Tomé e Paulo Jorge Machado Teixeira de Morais.
Cultura

Cultura

  • Orçamento
    150000 €
  • Âmbito do Projeto
    Regional
  • Região onde aplicar
    Norte
  • Municípios onde aplicar

    Maia, Matosinhos, Santo Tirso, Valongo

  • Prazo
    24 meses

Mais informações sobre o Orçamento Participativo Portugal